Síndrome dos ovários policísticos: talvez você tenha e não saiba!

A síndrome dos ovários policísticos é a doença endócrina mais comum em mulheres, presente em até 20% das que estão em idade fértil. Embora seja muito frequente, muitas vezes manifesta sintomas que são despercebidos ou não levam a busca por ajuda médica. A seguir, conheça mais informações sobre o assunto e formas de tratar a condição!

Publicado por Grupo Biocentro
em

Síndrome dos ovários policísticos: talvez você tenha e não saiba!

O que é?

Ainda não se sabem os mecanismos exatos que levam ao início da síndrome, mas diversos hormônios são envolvidos no processo – a exemplo da testosterona, que é um hormônio presente em baixas quantidades nas mulheres (em situações normais).

Já se sabe que portadoras dos ovários policísticos apresentam um quadro de resistência à insulina, muito semelhante ao que ocorre na diabetes melito tipo 2 – o que representa um risco para a saúde global.

Quais os sintomas?

Agora que você já sabe o que é a síndrome, precisa conhecer também quais são seus sintomas.

1) Acne: o aumento da acne sem uma explicação clara pode decorrer da síndrome dos ovários policísticos. Além disso, pode-se ter oleosidade da pele.

2) Excesso de pelos: devido ao excesso de hormônios (principalmente os andrógenos), as mulheres podem apresentar um aumento de pelos no corpo, de coloração escura, muito semelhante aos dos homens. Estes tendem a se apresentar em axilas, face, dorso, e outras regiões.

3) Infertilidade: muitas pacientes possuem apenas a infertilidade como sintoma, e a descobrem quando desejam ter filhos e não conseguem. Felizmente, já existem diversas opções terapêuticas que possibilitam o casal engravidar, e você as conhecerá a seguir.

4) Irregularidades menstruais: esta também costuma ser uma queixa das pacientes, que podem ficar meses sem menstruar, apresentando ciclos longos e/ou irregulares.

5) Ganho de peso: as pacientes podem engordar drasticamente em pouco tempo, e isso se deve a ação dos diversos hormônios que estão aumentados.

Como é feito o diagnóstico?

No momento da consulta médica, o profissional irá suspeitar da síndrome dos ovários policísticos apenas pelos sintomas que a paciente traz.

Para confirmar o diagnóstico, será solicitada uma ultrassonografia transvaginal ou da pelve, com o intuito de avaliar os dois ovários.

Além disso, alguns exames de laboratório são pedidos para realizar dosagens de hormônios, e então verificar se estes são aumentados ou normais.

Existe tratamento?

Existem diversas opções de tratamento para a síndrome dos ovários policísticos, com base nas principais queixas das mulheres. Além disso, deve sempre ser levado em conta o desejo ou não de engravidar.

Dentre as possibilidades de tratamento, estão:

·        Medidas para a eliminação dos pelos;

·        Uso de anticoncepcionais para regularizar a menstruação;

·        Medicamentos que estimulam a ovulação, e consequentemente, auxiliam a mulher a engravidar;

·        Tratamentos dermatológicos para a acne.

E muito mais. Para um diagnóstico e tratamento adequados, busque um médico de sua confiança!

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Olá, deixe seu comentário para Síndrome dos ovários policísticos: talvez você tenha e não saiba!

Enviando Comentário Fechar :/